Rinite melhora ou piora com o exercício físico?

Na semana passada, falei aqui que é normal respirar mais pela boca do que pelo nariz durante o exercício físico, já que a resistência do ar na inspiração pela boca, quando há alta demanda por oxigênio, é bem menor do que a resistência de inspirar pelo nariz.


Mas, curiosamente, há muitos pacientes com rinite que “juram” que o momento que sentem o nariz mais desentupido é durante o exercício físico. Faz sentido? Na verdade, sim.


Nosso organismo é muito esperto e possui vários mecanismos para que nos adaptemos às diferentes situações a que somos expostos. Um deles é o nosso sistema nervoso autônomo, o mesmo que faz nosso coração acelerar quando tomamos um susto.


Durante o exercício físico, sabendo que a demanda por oxigênio no nosso pulmão aumentará significativamente, esse sistema provoca uma reação chamada vasoconstrição no nosso nariz, que basicamente diminui o calibre dos vasos e a quantidade de fluidos na mucosa do nariz.


Essa reação é exatamente o oposto do que acontece na rinite, a vasodilatação, caracterizada pelo edema da mucosa do nariz, responsável pela sensação de congestão nasal. Por isso, pessoas com rinite crônica podem sentir um alívio dos sintomas nasais durante o exercício físico, sendo ele então super recomendado para esses pacientes!


Por outro lado, uma desregulação no nosso sistema autônomo e no mecanismo de vasoconstrição/vasodilatação podem desencadear uma piora dos sintomas nasais durante o exercício físico, a chamada rinite do atleta. Em esportes de longa duração, como uma maratona, após os primeiros minutos de vasoconstrição causada pelo início do exercício físico, nosso organismo pode se adaptar a essa condição e provocar uma vasodilatação rebote da mucosa nasal, podendo provocar assim coriza e uma piora da obstrução nasal.


O mesmo ocorre também com usuários crônicos das gotas nasais, o pesadelo de todo otorrino, que promovem um "alívio" instantâneo no nariz entupido e, depois de algumas horas, o deixam pior ainda. Essas gotas contêm justamente substâncias vasoconstritoras e seu uso prolongado desregula totalmente a capacidade de o nosso sistema nervoso autônomo atuar nas situações de necessidade, como no exercício físico.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo